GRASSA CRUA

Exposição de Fernanda Magalhães

Curadoria: Juliana Crispe

A performance Grassa Crua de Fernanda Magalhães propõe uma série de ativamentos do corpo da mulher gorda e suas relações com os espaços, nos movimentos de outras  mulheres e outros corpos presentes em audiência. Ação que atravessa, perfura, percorre fronteiras de gênero, biopolíticas; múltiplas referências, que gera debates e que em sua maior potência evidencia as trocas e vivências entre o público que se torna também ativador das ações conduzidas pela artista.

Não há como sair de Grassa Crua e não transbordar-se desse corpo que nos invade, que produz deslocamentos, danças, intervenções, instalações, participações ímpares. Fernanda faz repensar os corpos em confinamentos, as exclusões possíveis, as vaidades, formatações, ilusões, frustrações, desejos, movimentos, espaços de poder, potências e liberdades.

Diante de tanta força movida por esse corpo, a leveza também é evidenciada pelo compartilhamento, generosidade e empoderamento também do outro. Obra que fala de si, não como estrangeira, mas como vernácula, o que faz acreditar mais ainda que arte é um processo de autoconhecimento. Uma fala de si que se conta pelo outro e pelo encontro com o outro.

01 - Grassa Crua.jpg
02 - Grassa Crua.jpg
03 - Grassa Crua.jpg
04 - Grassa Crua.jpg
05 - Grassa Crua.jpg
06 - Grassa Crua.jpg
08 - Grassa Crua.jpg

Jardins (série), 2018.

Fotomontagem e apropriação.

Pigmento mineral sobre papel algodão.

45 x 30cm.

09 - Grassa Crua.jpg
10 - Grassa Crua.jpg
11 - Grassa Crua.jpg
12 - Grassa Crua.jpg
13 - Grassa Crua.jpg
14 - Grassa Crua.jpg
16 - Grassa Crua.jpg
15 - Grassa Crua.jpg
17 - Grassa Crua.jpg
18 - Grassa Crua.jpg
19 - Grassa Crua.jpg
20 - Grassa Crua.jpg
21 - Grassa Crua.jpg

Grassa Crua, 2019

Fotografia

Dimensões Variáveis

Registro Fotográfico de Tainá Bernard

Performance realizada no Espaço Cultural Armazém – Coletivo Elza no M.A.R – Mulher Artista Resiste,

em sua primeira edição, como parte da 14ª Bienal Internacional de Curitiba

Sobre a artista:

Fernanda Magalhães (1962, Londrina, PR, Brasil). Artista, Fotógrafa, Performer e Professora de Artes na Universidade Estadual de Londrina (desde 1991). Pós-doutora pelo LUME - Núcleo Interdisciplinar de Pesquisas Teatrais da Unicamp (2016) e Doutora em Artes pela UNICAMP (2008). Recebeu o VIII Prêmio Marc Ferrez de Fotografia 1995 Minc/Funarte pelo Projeto "A Representação da Mulher Gorda Nua na Fotografia". Publicou os livros "Corpo Re-Construção Ação Ritual Performance", Travessa dos Editores (2010) e "A Estalagem das Almas", em parceria com a escritora Karen Debértolis, Travessa dos Editores (2006). Suas obras integram os acervos de instituições como a Maison Europèene de la Photographie em Paris, França; o Museu Oscar Niemeyer em Curitiba; a Coleção Joaquim Paiva de Fotografia Contemporânea no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro e o Acervo do Projeto Armazém, Florianópolis, SC.

Essa exposição faz parte do evento MULHER ARTISTA RESISTE – 2ª edição

 

GRASSA CRUA

Artista: Fernanda Magalhães

Curadoria: Juliana Crispe

Produção Cultural das exposições em Artes Visuais: Lorena Galery

 

Realização: Espaço Cultural Armazém - Coletivo Elza

Coordenação Geral: Gika Voigt, Juliana Crispe e Virgína Vianna

Organização Coletiva e curadoria compartilhada: Grupo de Trabalho MULHER ARTISTA RESISTE

Apoio: Abrasabarca, Coletivo Compor, Gandaia Films, Mulamba, Potlach Editora e Grupo Articulações Poéticas

Produção: Gika Voigt Produz

Vinheta: Gandaia Films (com música da banda Mulamba)

Equipe técnica: Gika Voigt e Marianella Colucci

Equipe de comunicação: Gika Voigt, Juliana Ben, Juliana Crispe, Lorena Galery, Marianella Colucci  e Virgína Vianna