DO ÀIYÉ AO ÒRUN

Exposição de Duda Nas

Curadoria: Juliana Crispe

Religiosidade, identidade, resistência e ancestralidade; essas são as palavras que disparam dos trabalhos e conceituam as obras de Duda Nas.

A exposição Do Àiyé ao Òrun, traz duas séries criadas pela artista, uma em que Duda apresenta em vídeo performance seu autorretrato e outra em que corpos negros são apresentados como potências e honra para sua criação. As obras da artista atravessam as relações entre o mundo terreno e espiritual. Àiyé significa o plano terreno e Òrun plano espiritual, ambas palavras em ioruba.

A primeira série é apresentada através de uma performance criada para vídeo, Duda retrata sua relação fiel com o mar, onde cresceu e se refez. Òkun, é também religiosidade, a artista atribuiu significados a sua relação com o mar, representando através dele e de sua vestimenta, a Orixá Iemanjá, a Grande Mãe, por quem foi cuidada até o momento em que pisou em um terreiro pela primeira vez e quando iniciou sua jornada espiritual de forma mais direta e profunda.

Já na série Sete Ervas, Duda Nas fala sobre a relação sagrada das plantas e seu uso enquanto medicina para o corpo e espírito. É sobre resgatar a herança ancestral que foi deixada pelos seus antepassados vindos da África e dos que em terras brasileiras já viviam. Hoje as propriedades das plantas se popularizaram assim como o conhecimento de suas ações de cura que agem tanto no físico quanto no campo energético, como, por exemplo, a utilização das Sete Ervas.

As Sete Ervas são a combinação de plantas que trabalham juntas, agindo na expansão dos poderes vibracionais mágicos de cura e limpeza. A série Sete Ervas visa retratar essas folhas sagradas que, associadas aos retratos de corpos negros, não nos permitem esquecer cada um dos povos que trouxeram consigo esses conhecimentos.

Os autorretratos e retratos que Duda compõe são marcados por sua experiência enquanto um corpo negro numa incessante busca por se (re)encontrar e resgatar suas raízes dentro de uma sociedade eurocêntrica, representando isso de forma coletiva, pois é uma jornada compartilhada por todos os negros em luta. Além disso, busca contribuir com a representatividade negra no campo das artes visuais, pois é um dos diversos campos onde ainda há escassez de visibilidade para o povo preto. Atualmente, Duda tem mergulhado cada vez mais na experiência religiosa dentro da Umbanda e, mais do que nunca, isso reflete em sua arte, apropriando-se do termo Arte de Terreiro para descrever seus trabalhos.

Juliana Crispe

Vídeo-performance

Duração: 00:01:29

Filmagem: Catula Caroline

Edição: Duda Nas

01 - Espada de São Jorge.jpg

Espada de São Jorge, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

Arruda, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

03 - Alecrim.jpg

Alecrim, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

04 - Guiné.jpg

Guiné, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

Sobre a artista:

​Fran Favero é artista visual, curadora, professora e pesquisadora. É mestra e graduada em Artes Visuais pela UDESC, com intercâmbio para a UQAM, em Montreal. Como artista e curadora dedica-se a pesquisar as relações de fronteira que permeiam territórios, corpos e memórias, atuando no campo dos multimeios. Entre as principais exposições estão What’s going on in Brazil, Les Rencontres de la Photographie d’Arles, França, 2019; Antípodas Contemporâneas, 13a Bienal Internacional de Curitiba, 2017; Confluências: arte em intercâmbio, Sesc Interlagos/SP, 2017; e as exposições individuais Ninguém consegue segurar o ar, 14a Bienal Internacional de Curitiba, MASC/SC, 2019 e Y/Rembe’y, Museu Victor Meirelles/SC, 2016. Atualmente é professora colaboradora do Departamento de Artes Visuais da UDESC, integrante da equipe do Projeto Armazém – exposições e feiras de múltiplos e publicações de artista e vice-diretora da ONG Observatório Nacional da Cultura (ONC).

05 - Manjericão.jpg

Manjericão, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

06 - Comigo-Ninguém-Pode.jpg

Comigo-ninguém-pode, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

07 - pimenta.jpg

Pimenta, 2019

Acrílica e tinta PVA sob papel canson 300g

tamanho A4

Sobre a artista:

Duda Nas é residente da cidade de Florianópolis, a artista de 22 anos começou a atuar no campo das Artes Visuais por volta de 2016 e desde então, é na arte que tem deixado sua maior dedicação.

Participou de diversas edições da Exposição Negráfica promovida pela produtora Batuk freak, incluindo eventos como Praieira Festival da Whatafunk? Produções (2019) e da exposição no Museu Histórico Municipal de São José (2019). Também foi expositora convidada da edição de aniversário da Feira Afro Artesanal de Florianópolis (2019), e da feira de empreendedorismo feminino Fatto a Femme (2019), dentre outras feiras da região e de eventos a âmbito nacional, como a 14ª Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba e o IV Encontro Intercontinental e Intergaláctico de Performance - Buraco Negro, caia dentro! em Londrina. Atualmente, Duda está trabalhando em parceria com o Sindicato dos Serv. do Poder Judiciário do Estado de SC - Sinjusc, assinando as ilustrações da próxima edição da Revista Valente.

Produz suas pinturas em tela, papel canson e madeira MDF, utilizando tinta acrílica, PVA e guache, e não possui como referência necessariamente artistas renomados, mas sim, pessoas da sua família ou de seu convívio.

Essa exposição faz parte do evento MULHER ARTISTA RESISTE – 2ª edição

 

DO ÀIYÉ AO ÒRUN

Artista: Duda Nas

Curadoria: Juliana Crispe

Produção Cultural das exposições em Artes Visuais: Lorena Galery

 

Realização: Espaço Cultural Armazém - Coletivo Elza

Coordenação Geral: Gika Voigt, Juliana Crispe e Virgína Vianna

Organização Coletiva e curadoria compartilhada: Grupo de Trabalho MULHER ARTISTA RESISTE

Apoio: Abrasabarca, Coletivo Compor, Gandaia Films, Mulamba, Potlach Editora e Grupo Articulações Poéticas

Produção: Gika Voigt Produz

Vinheta: Gandaia Films (com música da banda Mulamba)

Equipe técnica: Gika Voigt e Marianella Colucci

Equipe de comunicação: Gika Voigt, Juliana Ben, Juliana Crispe, Lorena Galery, Marianella Colucci  e Virgína Vianna